ponto do consultório odontológico

→ 9 dicas para escolher o ponto do consultório odontológico


→ 9 dicas para escolher o ponto do consultório odontológico
5 (100%) 133 votes

Escolher o ponto do consultório odontológico não é nada fácil como muitos pensam. Há diversos fatores que necessitam de observação na hora de escolher o local de montagem do consultório.

Inclusive me atrevo a dizer que, dependendo da escolha do ponto do consultório, o dentista pode literalmente ter que gastar rios de dinheiro para tentar reverter algo que nem estar a seu favor como não segue uma tendência de mercado.

Há alguns anos, fui ver um local para montar um consultório que ficava há 2 minutos da minha residência (um sonho que ainda realizarei).

Apesar de ter uma quantidade considerável de pontos positivos, apenas um negativo me fez desistir do negócio: o ponto ficava no segundo andar e a galeria não tinha elevador.

Pare para pensar: o mundo está cada vez mais conveniente e prático. Aqui em Pernambuco, há lugares que estão colocando elevadores, justamente para agregar mais valor e conseguir competir com os imóveis novos que já vem com este equipamento.

Ainda há diversos outros aspectos que devem ser observados na hora de escolher o ponto do consultório odontológico. Vamos discutir alguns deles neste artigo!

1. Quem é seu público-alvo do consultório? Quais serão seus clientes?

Não se pode pensar na escolha do ponto do consultório odontológico sem saber QUAL será o público que será atendido. Vamos pensar que o dentista opte por atender ao público C e D, mas monte seu consultório em um bairro nobre. A concentração do seu público vai ser muito menor. O oposto também ocorre.

Outro aspecto que deverá ser levado em conta é a peculiaridade do seu público. Por exemplo, o dentista que trabalha com reabilitação oral, em geral, atende adultos jovens e idosos. Logo, não imagino o ponto do consultório localizado no terceiro andar sem elevador.

Logo, o primeiro passo do dentista é decidir qual será seu público-alvo do consultório. A partir daí, faz-se o levantamento dos possíveis locais que servirão para montagem do consultório.

2. Na escolha do ponto do consultório, opte por lugares conhecidos e de fácil acesso

Em cada cidade, há ruas e avenidas bastante conhecidas pelo público, independente de qual bairro ele resida. Isso é importante porque lugares conhecidos são, em geral, de fácil acesso para os principais meios de locomoção (carro, moto e ônibus), isso sem falar que passa até mais confiança.

Uma coisa é sair de casa e ir a um local que já é conhecido em diversos aspectos, inclusive segurança. Outra coisa é ainda ter que procurar informações sobre o local (onde fica, ponto de referência,segurança, etc.).

E não se engane: os aplicativos como Google Maps ou Waze te mostram como chegar lá, mas não passam outras informações importantes, como locais para parar o carro. Por isso que um local conhecido é tão importante para o ponto do consultório.

3. Escolha locais que possuem luminosidade e segurança 

Vivemos em uma época de pura insegurança pública. Alguns fatores podem ajudar neste aspecto, tais como:

  • Segurança interna (câmera de segurança, protocolos de segurança do local, como solicitação de documentos e fotos, e catracas eletrônicas);
  • Luminosidade, principalmente se o atendimento ocorrer  no turno da noite;
  • Ruas movimentadas passam menor sensação de insegurança.

4. O ponto do consultório deverá possuir local para estacionar o veículo

Independente se o estacionamento for gratuito ou pago, é importante que tenha, pois gera ao paciente do consultório mais segurança e, principalmente, mais conveniência. Já deixei de ir a determinados lugares porque perdia muito tempo rodando de uma lado para o outro para estacionar. E ainda para longe o carro.

Caso o local não tenha estacionamento próprio, que tenha pelo menos estacionamentos privados próximos ou até mesmo ruas circundantes para o paciente estacionar o veículo.

5. Tenha em mente um modelo do consultório que irá montar

Número de salas, tamanho, andar, vista, dentre outras coisas. Tudo isso deverá ser levado em conta justamente para não se arrepender no futuro e até mesmo ter que trocar de ponto.

Já discuti no meu livro alguns pontos importantes na hora de escolher a sala de locação. Uma dica é visitar outros consultórios e ver quais são os prós e contras de cada estrutura montada.

Vamos pensar numa possível expansão do consultório. Logo, é importante que a sala já tenha tamanho suficiente para permitir a expansão, inclusive sem interromper o atendimento ou ter que reduzir o tamanho de algum ambiente para comportar outro consultório.

Claro que, para isso, é importante ter um planejamento do consultório de médio e longo prazo. O dentista não deverá alugar uma sala pensando em ampliar no futuro se ele não sabe nem como vai criar uma demanda para este fim.

Um fator MUITO importante que se deve levar em conta é documentação de abertura do consultório que é exigida pela vigilância sanitária. Converse com os inspetores e já procure saber o que está sendo exigido no consultório odontológico.

6. Veja as questões legais do imóvel e conheça as regras

Na hora de alugar o imóvel, é importante conhecer os aspectos legais e saber se ele está livre de dívidas, como encargos municipais ou estaduais. Antes de assinar o contrato, converse com algum advogado e peça orientação para não entrar numa fria.

Além disso, é importante conhecer as regras do local e ver se casam com os objetivos do consultório. Por exemplo, há determinados locais cujo atendimento noturno não dispõe de segurança ou vigia. Caso o dentista queira atender neste horário, vai ficar bem complicado para o paciente, fazendo com que ele até opte por procurar outro profissional.

7. Analise a concorrência antes de escolher o ponto do consultório

Não dá para descartar a análise do mercado odontológico da região. Em uma capital, os consultórios estão bem distribuídos, com alguns locais com alta concentração. Porém, em municípios pequenos, os dentistas se localizam no centro ou na rua principal daquela cidade, onde está o foco do comércio. E isso tem um limite de saturação.

Outro aspecto importante é conhecer QUEM são os concorrentes. No local, pode haver uma clínica odontológica bem estruturada e com muito tempo de mercado ou uma franquia odontológica, que possui todo um Know How de mercado para sair na frente dos concorrentes. E isso pode ser bem perigoso para um dentista que não possui conhecimentos de gestão e administração de consultório.

8. Se o ponto do consultório permitir a colocação de placas ou fachadas, ótimo!

Acredite: há um percentual considerável de pessoas que simplesmente entram no consultório do dentista porque acharam a placa bonita ou porque a placa é grande e chama a atenção. Isso é algo que os empresariais de nome não permitem.

Já imóveis mais antigos ou em bairros populares permitem a colocação de placas ou fachadas externas, permitindo a divulgação visual do seu consultório.

9. O ponto do consultório odontológico deverá ser visível ao paciente

Há alguns anos, um amigo meu dentista me convidou para conhecer seu consultório novo. Quando cheguei lá, deparei-me com uma galeria com um imenso corredor. Até aí tudo bem, se a sala dele não fosse a última. Para completar, ainda havia mais 3 salas com dentista antes da sala dele. 

O resultado foi que o consultório não durou nem 6 meses pois tudo conspirava contra a divulgação visual do consultório, isto é, era muito complicado para a demanda espontânea de pacientes chegar lá. Por isso, evite locais muito escondidos do seu público, principalmente se o público-alvo for o C e D.

Pontos no térreo, por exemplo, têm MUITO mais visibilidade em todos os aspectos, principalmente porque as pessoas passarão em frente a ele, aumentando assim a chance de captação de novos pacientes.


Além dos tópicos discutidos acima, há duas dúvidas bem comuns entre os dentistas que estão à procura do ponto do consultório ou até mesmo entre os dentistas que já possuem um consultório montado. Então, vamos lá:

Comprar ou alugar a sala do meu consultório?

No começo da vida profissional, na maioria esmagadora dos casos, o dentista não tem muito capital para investir na compra de uma sala. Mas, e se ele tivesse o capital ou já tivesse o dinheiro?

Um dos argumentos de quem quer comprar é que o dono pode pedir a sala por algum motivo. Mesmo que ele pague a multa por quebra de contrato, o valor recebido ainda é MUITO menor do que todo o custo para realocar e montar outra sala. Porém, isso não é algo comum.

Sou bem categórico: comece alugando o imóvel e só compre se estiver com dinheiro sobrando. O sonho de todo dono de sala é fechar um contrato de médio e longo prazo com um inquilino, ainda mais no atual momento econômico do nosso país (2017).

Meu consultório não tem um ponto bom. O que fazer?? Deverei me mudar?

Alguns dentistas terminam por fazer a escolha errada do ponto, o que pode ser bem prejudicial para a captação dos pacientes. Através de um bom plano de marketing odontológico, é possível contornar a falha na escolha do ponto do consultório.

Contudo, às vezes o ponto do consultório é tão desfavorável que o dinheiro gasto para captar pacientes suprir as deficiências do ponto é bem maior que o dinheiro gasto na mudança do consultório. É importante levar este aspecto em consideração e colocar na calculadora.

Caso a escolha por mudar o consultório seja tomada, faça o levantamento de todos os pacientes e comece a avisar com MUITA antecedência que o dentista vai se mudar, inclusive mencionando as qualidades do novo ponto do consultório odontológico.

Leia mais:


Gostou da postagem?  Que bom! =)

Compartilhe com seus colegas de profissão. Acredite, se todos soubessem lidar com o mercado odontológico, estaríamos numa situação bem melhor. Então faça a sua parte!

Caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar abaixo! Mande sua dúvida que farei de tudo para te ajudar!

Grande abraço e até a próxima postagem!

Wilson Correia Jr.


Recomendados Para Você:

Leave comment

Se você é IMPLANTODONTISTA, temos algo para você!  Clique AQUI e saiba MAIS
close
open