plano odontológico

→ Doutor, o meu plano odontológico cobre o tratamento?


→ Doutor, o meu plano odontológico cobre o tratamento?
5 (100%) 151 votes

Absolutamente todo dentista que atende plano odontológico vai ouvir esta pergunta. De fato, é uma tendência natural questionar isso, não somente para convênios odontológicos mas para qualquer convênio de saúde.

Em se tratando de plano odontológico, há diversos preços no mercado. Um grande hospital aqui de Pernambuco fez uma parceria com um convênio odontológico cuja mensalidade para o paciente sairia por R$ 1,00. Isso mesmo que você leu. Apenas R$ 1,00.

Obviamente que o hospital paga o restante. Contudo, a mensalidade não sairia por mais de R$ 15,90. Falo isso com precisão porque tenho um colega corretor de plano odontológico e ele me confirmou isso.

Aí quando o paciente vai realizar o tratamento e esbarra em um procedimento mais complexo ou estético, como implante dentário ou clareamento dental, respectivamente, aquela pergunta vem à tona:

Dr., o meu plano cobre?

É aquela hora que se começa a pensar o que leva uma pessoa a achar que pagando R$ 15,90 por mês vai ter direito a um tratamento cujo valor ultrapassa a casa dos 4 dígitos. Então, vamos à matemática para calcular a despesa do paciente com o convênio odontológico por 12 meses.

12 x 15,90 = R$ 190,80

Preço médio cobrado em um implante dentário: R$ 1.000,00

Em outras palavras: para o convênio odontológico ficar no zero a zero nas contas (isso sem contar com impostos), o paciente teria que pagar o plano por 5 anos. E nós sabemos que não é algo comum, pelo contrário. Quando o tratamento acaba, o paciente pergunta logo se pode cancelar o plano.

E quando o paciente pergunta se o plano odontológico cobre um determinado tratamento?

É importante perceber que uma conduta de desdém ou a abordagem errada pode ratificar uma situação que será bem decepcionante para o paciente. Vamos lá entender.

De fato, a matemática não fecha e fica complicado de entender porque o paciente acha que o plano cobrirá tudo. Aí entra o outro lado da moeda: a negociação entre o paciente e o corretor.

Antes de comentar, deixo claro aqui que não menciono a abordagem do corretor de planos de saúde como errônea ou desonesta.

Durante a contratação do plano odontológico, há SEMPRE a pergunta sobre a cobertura do plano. O corretor informa que a cobertura inclui os procedimentos do rol da ANS. Só que o paciente não sabe disso e nem o que inclui este rol.

Aí que entra a negociação do dentista.

Imagine que você contrata algo que, segundo que vendeu, há uma cobertura X, que você achou que vai cobrir, por exemplo, um clareamento dental.

Quando chega na hora, o dentista menciona que não cobre. Provavelmente, a primeira reação de quem contratou o plano odontológico achando que ia pagar pouco e fazer todo o tratamento é ficar surpreso, quiçá irritado. Afinal de contas, ele começa a achar que foi um mal negócio.

E, diante daquilo, se o dentista diz que não cobre, mesmo se o paciente disser que cobre, vai gerar um conflito de informações. Neste momento, é importante usar aquilo a seu favor.

Não faça desdém com aquela situação

Eu sei que, naquele momento, a vontade que dá é perguntar se ele achou que pagando R$ 15,90 por mês iria ter acesso a um tratamento de implante dentário ou um clareamento dental. Mas é fundamental se colocar no lugar do paciente.

Você pode pedir para ele entrar em contato com o plano e procurar saber se há cobertura, mesmo sabendo que não há. A ideia aí é ganhar  a confiança do cliente. Não podemos descartar a possibilidade do cliente achar que o dentista está  cobrando algo que o convênio cobre, não por má fé, mas sim por desconhecimento.

O procedimento no qual está em discussão não está no rol da ANS

Este tópico complementa o anterior. Explicar ao paciente que aquele procedimento não está incluído no rol de procedimentos na ANS ajudará na ocasião. Principalmente se o tratamento for estético.

Aliás, por falar em tratamento estético, um bom argumento é fazer um comparativo com cirurgias plásticas. O convênio de saúde só irá cobrir por finalidade de saúde ou reparação de alguma parte do corpo.

Outro aspecto importante é saber se o interesse do paciente por um determinado procedimento está diretamente ligado à cobertura do plano odontológico. Caso não haja, a vontade de fazer some quase que instantaneamente.

Dizer ao paciente que simplesmente o plano odontológico não cobre um procedimento X ou Y não vai ajudar em nada, pelo contrário. Lembre que não é o que se diz mas sim como se diz.

Na maioria dos casos você vai fechar um tratamento particular? Não. A maioria esmagadora vai querer fazer pelo convênio odontológico, e isso é algo muito natural. Mas se você conseguir fechar, pelo menos, de 10% destes casos, já valerá a pena.

Menciono que é importante conhecer a cobertura contratual de cada convênio para não sofrer problemas em caso de realização de um procedimento que era coberto por ele.


 

Leia mais:


Gostou da postagem?  Que bom! =)

Compartilhe com seus colegas de profissão. Acredite, se todos soubessem lidar com o mercado odontológico, estaríamos numa situação bem melhor. Então faça a sua parte!

Caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar abaixo! Mande sua dúvida que farei de tudo para te ajudar!

Grande abraço e até a próxima postagem!

 


Recomendados Para Você:

Comment on "→ Doutor, o meu plano odontológico cobre o tratamento?"

  1. aline

    e quando o procedimento esta no Rol e está na lista de cobertura mas nenhum dentista faz?

    • Wilson Correia Jr.

      Olá, Aline!

      Neste caso, a responsabilidade é do convênio em conseguir ou credenciar um profissional que realize o tratamento!

Leave comment

Se você é IMPLANTODONTISTA, temos algo para você!  Clique AQUI e saiba MAIS
close
open