→ 5 dicas para acalmar o paciente medroso no consultório odontológico

→ 5 dicas para acalmar o paciente medroso no consultório odontológico


Se você exerce a profissão atuando como dentista clínico, você vai se deparar com milhares pacientes que tem algum receio de tratamentos e consultórios odontológicos. O receio do paciente medroso varia entre um medo (que até se mistura com ansiedade) e o pânico propriamente dito.

Na semana passada, realizei uma exodontia simples em uma paciente. Pode-se dizer que o preço que cobrei foi mais para contornar o pânico da paciente do que para realizar o procedimento propriamente dito.

Mencionei pânico porque ela relatou apenas um trauma com dentista, que foi suficiente para ela ter algumas atitudes que, digamos, fogem à regra de um paciente medroso.

Por exemplo, ela pediu para que eu não fizesse nenhum som com os instrumentos cirúrgicos e se eu permitia que ela ficasse com uma venda nos olhos.

O profissional dentista tem que estar preparado para lidar com esse tipo de situação. Claro que o que mencionei acima não é a regra, mas é bem comum encontrarmos pacientes com algum grau de medo e/ou ansiedade no consultório.

Passarei algumas sugestões para tranquilizar este tipo de paciente.

 5 dicas para acalmar o paciente medroso no consultório odontológico

O início da tranquilização começa com a secretária

É bem comum o paciente procurar informações sobre o dentista ou um determinado procedimento que será realizado, como uma exodontia, por exemplo. É importante que a secretária tranquilize a paciente e, ao mesmo tempo, levante a bola do dentista.

Pode ficar tranquila, Renata! É um procedimento corriqueiro aqui no consultório e você está em ótimas mãos. Dr. Murilo é muito competente!

Evite que sua secretária diga algo como “procedimento simples”  ou “será bem rapidinho. Sabemos que, na área de saúde, são duas coisas que não podemos garantir,principalmente se você faz cirurgias orais. Só vai criar no paciente uma expectativa que pode não ser alcançada.

Falem de tudo no início, menos do procedimento que será realizado

Coloquem “falem” porque refiro-me a todos no consultório. Um paciente medroso já entra cheio de perguntas sobre o procedimento que será realizado e com diversas “experiências” relatadas por terceiros que ele encontrou no google.

Converse sobre qualquer coisa que NÃO seja o que vai ser realizado, pelo menos no primeiro momento. Claro que uma hora você vai ter que discutir o procedimento odontológico que será realizado.

Mas a partir do momento que você começa a falar de outro assunto, inconscientemente o paciente começa a deixar de lado um pouco daquele nervosismo. Logo, na hora do procedimento, ele ficará mais calmo.

Evite também mostrar determinados instrumentos ao paciente, como por exemplo um bisturi ou a carpule com agulha. Este último, juntamente com o barulho da caneta, são os principais motivos do pavor ao dentista.

Se ele ficará mais calmo com a presença de outra pessoa, que assim seja

A fim de ficar mais “tranquilos”, alguns pacientes levam pais, amigos, cônjuges, etc. Até aí nada demais, pelo menos sob minha ótica. Porém, é importante que o(a) acompanhante siga algumas regras e passe algumas informações úteis.

Por exemplo, eu permito que o acompanhante entre na sala e até mesmo fique segurando a mão do paciente, desde que ele não tenha nenhuma atitude que pode influenciar no nervosismo do paciente.

Lembro de duas situações que ocorreram comigo há muito tempo. Deixe o marido de uma paciente acompanhar a esposa numa cirurgia e, no meio do procedimento, ele fala:

Nossa, quanto sangue…

Outra vez um marido entrou para acompanhar a esposa e, do nada, desmaiou. Fiquei sem entender na hora. Depois ele me disse que não podia ver sangue.

Crie regras para acompanhantes. Não vejo problemas na presença deles na sala, desde que seja favorável ao paciente e ao dentista.

 Tenha um ambiente tranquilo, organizado e que não lembre tanto um consultório

Um ambiente com muitos ruídos e com diversas propagandas associadas a DENTE só aumentará o nervosismo e ansiedade do paciente. Opte por colocar decorações que quebrem o clima de um consultório odontológico.

Músicas tranquilas, cores adequadas, filmes ou programas de TV light, sem muitas cenas de suspense. Lembre que o paciente já está com medo. Se você colocar um filme de terror, não vai contribuir muito, não é?

Tenha uma relação de confiança com o paciente

Esse passo é MUITO importante para acalmar o paciente medroso. Tente passar para ele que você está preparado para realizar o procedimento da melhor forma possível e que você é a melhor escolha para ele.

Essa confiança será adquirida através de um atendimento impecável e humanizado, mostrando ao paciente que você realmente está preocupado com o problema dele e quer resolvê-lo.


Perceba que mencionei aspectos inerentes à relação com o paciente. Determinadas situações requerem uma intervenção farmacológica, como por exemplo o uso de um benzodiazepínico para realizar o tratamento.

Odontopediatras geralmente tematizam seus consultórios justamente para que a criança não tenha a ideia de que está no dentista ou que se distraia com alguma coisa, como por exemplo, aqueles bonecos que ficam presos ao equipo. Isso termina sendo bem eficaz no tratamento.

O importante é saber como lidar com o atendimento a este tipo de paciente. Procure por o que descrevi acima em prática. Se você fizer um paciente medroso se tornar corajoso, pode ter CERTEZA que ele vai dizer isso a Deus e o mundo!

 

Leitura recomendada:

 


Gostou da postagem?  Que bom! =)

Compartilhe com seus colegas de profissão. Acredite, se todos soubessem lidar com o mercado odontológico, estaríamos numa situação bem melhor. Então faça a sua parte!

Caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar abaixo! Mande sua dúvida que farei de tudo para te ajudar!

Grande abraço e até a próxima postagem!

Wilson Correia Jr.


Leave comment